O Brasil possui hoje a terceira maior população carcerária do mundo em números absolutos e sua taxa de encarceramento (número de presos por cada grupo de 100 mil habitantes) não para de crescer.

Penitenciárias, delegacias e centros de detenção provisória estão entre os maiores focos de violação dos direitos humanos no Brasil. Superlotação, tortura e maus tratos são problemas persistentes e conhecidos, agravados pela política deliberada de encarceramento em massa levada a cabo pelo Judiciário, Legislativo e Executivo.

Nesse contexto, é cada vez mais importante que as políticas e iniciativas sejam amparadas por fatos e dados - que são escassos, fragmentados e de difícil verificação.

O objetivo do Carcerópolis é ajudar a compor a fotografia desse sistema, combinando números oficiais e análises aprofundadas.

Carcerópolis é uma iniciativa da Conectas Direitos Humanos, uma organização não governamental internacional fundada e sediada em São Paulo. Sua missão é efetivar e ampliar os direitos humanos e combater as desigualdades para construir uma sociedade justa, livre e democrática a partir de um olhar do Sul Global.

O projeto contou com a parceria de:

ASK Associated Researchers, consultoria de análises qualitativas e quantitativas de referência.

- Thandara Santos, socióloga formada pela Universidade de São Paulo, mestranda no programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília, ex-chefe da Assessoria de Informações Estratégicas do Departamento Penitenciário Nacional, no Ministério da Justiça. Atuou como consultora para produção de conteúdo e análise de dados da plataforma Carceirópolis.

Paula R. Ballesteros, doutoranda em Direito, com ênfase em Criminologia, pela Universidade de Brasília. Mestre em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Bacharel em Direito pela PUC-SP e em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Atualmente, exerce o cargo de pesquisadora do Centro de Estudos de Justiça das Américas, da OEA. Atuou como consultora no levantamento de pesquisas sobre sistema prisional e de especialistas.

Para melhor entender as metodologias utilizadas no projeto e baixar os dados utilizados e gerados, Metodologia e Bases de Dados do Projeto.